Encontros Familiares


Como varia a qualidade de vida ao longo das várias fases do ciclo de vida familiar?

Será que a qualidade de vida das famílias portuguesas varia conforme a fase de desenvolvimento que atravessam? Esta foi uma das questões às quais procurei responder no âmbito na minha tese de mestrado, de maneira a conseguir perceber de que modo as nossas famílias se organizam em função das tarefas desenvolvimentais inerentes a cada etapa do seu percurso (nascimento dos filhos, saída dos filhos de casa, reforma, etc).

O modo como o desenvolvimento vital da família é vivenciado por cada um dos seus membros, tem vindo a assumir cada vez mais relevância ao longo dos vários anos de investigação nesta área. Contudo, contamos ainda com uma escassez de estudos realizados com as famílias portuguesas que têm vindo a ser alvo de mutações transgeracionais.

Se pensarmos na evolução da sociedade moderna ocidental e no modo como conduziu a profundas alterações de ordem social, política, económica, cultural e, até mesmo, psicobiológica, certamente nos deparamos com algumas questões que nos remetem para a consequente repercussão nas dinâmicas familiares dos portugueses.

Assim, de que modo a evolução da socidade moderna afeta a qualidade de vida das famílias?

Considerando que as necessidades de desenvolvimento das famílias vão-se alterando consoante os filhos nascem, crescem e saem da casa dos pais, podemos descrever as várias etapas do ciclo de vida familiar (a partir do proposto por Hill e Rodgers) da seguinte maneira: jovem casal sem filhos, família com filhos pequenos e família com filhos em idade pré-escolar, família com filhos em idade escolar, família com filhos adolescentes, família lançadora, etapa do ninho vazio e família na reforma. Os diferentes estádios são definidos em função da presença e idade do filho mais velho no agregado familiar

As principais conclusões do estudo mostram que a perceção da qualidade de vida varia consoante as tarefas e crises associadas às sete etapas do ciclo de vida familiar e que tal perceção depende do nível sócio-económico, zona de residência e estrutura familiar (tipo de família) dos sujeitos.

Em termos globais, é nas etapas família com filhos pequenos e ninho vazio/reforma que as famílias atingem maior qualidade de vida, o que nos leva a afirmar que o ciclo vital familiar parece emergir de acordo com uma nova tendência constituída por dois momentos essenciais: um primeiro marcado pelo nascimento dos filhos e um outro que emerge no final do percurso familiar.

Por sua vez, é na fase de lançamento dos filhos (famílias lançadoras), na qual os individuos estão sujeitos a múltiplos desafios, que a qualidade de vida é menor.

Partilha desta opinião?

Qual a fase da vida familiar em que percecionou maior/menor qualidade de vida?